Saiba como funciona a Taxa de Rejeição ou Bounce Rate

Para um administrador e webmaster, saber como funciona a taxa de rejeição faz toda a diferença para ele obter sucesso com sua página. Em suma, a taxa de rejeição faz parte das métricas e estatísticas que devem ser estudadas para criar estratégias e reduzir os erros, de forma que as conversões de um site aumentem.

Em meio ao trabalho com a internet, um dos fatores que mais podem aumentar o resultado é saber se os usuários que encontram o seu site o rejeitam após o primeiro clique. Já é um esforço incrível criar uma página atrativa o suficiente para que seja bem ranqueada no Google e atrativa aos usuários.

A verdade é que esse esforço é meramente uma fração do trabalho, e a próxima etapa é manter o site interessante o suficiente para que seus visitantes não o larguem após o primeiro clique. A intenção é manter o usuário na sua página o máximo de tempo.

Outra coisa que deve ficar clara é a diferença entre a taxa de rejeição em relação à taxa de saída, que é outra métrica que o Google Analytics oferece para que o administrador de uma página na internet tenha sucesso no posicionamento.

Veja a seguir os detalhes sobre como funciona a taxa de rejeição e para que serve, o que é considerado como uma boa taxa e como medir a da sua própria página. Saiba a diferença entre taxa de saída e taxa de rejeição e como medir em seu site!

O que é uma taxa de rejeição?

Quando você faz um site, a grande intenção por trás dele é “prender” o visitante. Em outras palavras, mantê-lo em uma relação de interação com a página.

Sendo assim, o que mede a taxa de rejeição ou bounce rate? Nada mais do que o nível de interação do usuário com seu site, pois ela é uma porcentagem que equivale ao número de pessoas que saíram de seu site, sem clicar em nada nele.

Para que serve e como funciona a taxa de rejeição
Fonte/Reprodução: original

O padrão do Google Analytics é brando, pois julga como rejeição apenas se o visitante não interagiu com nenhuma página adicional no site. Se o visitante clicar em uma página dentro do site, já não é considerado como rejeição.

O Google Analytics é uma ferramenta gratuita que mostra as estatísticas do seu site. Uma de suas vantagens é que você pode analisar taxas de rejeição específicas por palavra-chave, a fim de identificar com o máximo de precisão o que pode mudar no conteúdo, de forma que a taxa de rejeição seja revertida para números favoráveis.

Vale pensar no lado do usuário e colocar-se em seu lugar. Por exemplo, se você começa a usar um site que trata de um assunto do seu interesse, e se depara com a página inicial. Há uma variedade de artigos, mas os títulos são confusos.

O layout da página também não é convidativo, as letras são muito pequenas e a página abriu com muita lentidão.

Acredite, por mais que pareçam meros detalhes, a junção de cada um desses fatores contribui para que você saia de uma página e provavelmente nunca mais volte. Isso ocorre porque há sites em abundância na página de resultados do Google. Logo, é natural que a rejeição de um site preceda a busca pelo próximo.

Se o próximo site for bom ao menos nos quesitos apresentados, é provável que o usuário interaja com o site melhor e esqueça dos outros.

Essa visão intuitiva de como funciona a taxa de rejeição de um site é muito válida e deve sempre ser levada em conta. Mas é preciso entender, além disso, como o Google Analytics calcula a rejeição de um site.

Para que serve e como funciona a taxa de rejeição

A finalidade da taxa de rejeição é manter o administrador do site informado quanto a sua própria qualidade. Vamos recorrer a uma analogia do mundo editorial para trazer esse conceito à tona.

Por exemplo, quando um escritor envia o seu texto para o revisor, certamente ele escreveu com afinco, deu seu melhor e certificou-se de que transferiu para o texto todas as suas ideias de maneira coerente e coesa.

O que é uma taxa de rejeição
Fonte/Reprodução: original

O problema é que o escritor passa tanto tempo com seu próprio texto, que o seu olhar se “vicia” para os possíveis defeitos. Ele é tão íntimo de seu trabalho que não é mais qualificado para analisar com imparcialidade.

Para isso, o escritor recorre ao revisor, cuja função é apontar todos os erros e reportar ao escritor, de forma que o texto final tenha qualidade máxima e seja agradável de ler. O Google Analytics, a partir de sua taxa de rejeição, informa ao dono de um site quanto às imperfeições da página, que podem ser motivo de rejeição por parte dos usuários.

É preciso ter esse “olhar de fora”, essa análise mais fria e real, de forma que os números confrontam o dono da página. Isso é ainda mais intenso com o uso do Google Analytics, que analisa a rejeição de forma geral e específica.

É uma oportunidade de identificar fraquezas e de tornar o seu site em um local convidativo, para que as pessoas cliquem de uma página até a próxima, muitas vezes.

Ademais, é preciso lembrar que, apesar de o famoso algoritmo do Google não ter a taxa de rejeição como um critério de ranqueamento, isso não significa que essa não seja uma informação importante para você. O Google não ranqueia de forma direta, mas o resultado de uma boa taxa de rejeição certamente influi nos fatores que o algoritmo usa.

Uma vez compreendido para que serve, é preciso mencionar como funciona a taxa de rejeição no que diz respeito ao cálculo. Se trata da média de saídas entre todas as suas páginas dividida pela quantidade total de visitantes de todas as páginas. Mas essa média só pode ser calculada com base no mesmo período de visitação e rejeição.

A taxa de rejeição também pode ser calculada de forma mais específica, a partir de uma única seção, segmento ou página do seu site. No caso de sites de e-commerce que também possuem blog, o cálculo deve ser segmentado.

Qual é uma boa taxa de rejeição?

É impossível responder essa pergunta de forma absoluta sem conhecer como funciona a taxa de rejeição entre sites de natureza diferentes. Há muitas variáveis a serem consideradas. Primeiro, as taxas de rejeição em sites que representam o mercado B2B são mais altas do que as do mercado B2C.

Qual é uma boa taxa de rejeição
Fonte/Reprodução: original

Em seguida, é preciso verificar qual é o nicho de sua página. Por exemplo, as taxas de rejeição em sites de notícias são maiores que em sites de compras. Mas para que você não dependa somente de tabelas que estimam as taxas entre um tipo de site ou outro, o próprio Google Analytics auxilia nesse cálculo, como você verá no próximo tópico.

Como medir a taxa de rejeição?

Dentro da própria ferramenta do Google Analytics é possível visualizar como funciona a taxa de rejeição para o seu próprio site. Em primeiro lugar, é preciso configurar a sua conta, no comparativo de mercado que a ferramenta oferece. Basta marcar a caixa “comparativo de mercado” que fica logo abaixo da sessão “Configurações de conta”.

Em seguida, vá até “Conteúdo do site” e depois em “Landing pages”, para obter informações do comportamento dos usuários. A primeira estatística que aparece é a média geral de rejeição do site. Você pode usar o filtro avançado para verificar as taxas de rejeição por sessão.

Você pode fazer comparações diferenciadas entre o seu site de e-commerce e o seu blog. Em “canais” na sessão do comparativo de mercado, você pode ver as taxas de acordo com períodos específicos, e saber quando o seu site teve mais rejeições.

Conforme você navega pelo Google Analytics, verá que os filtros são muitos e que é possível encontrar informações muito específicas. Mas a ideia de como funciona a taxa de rejeição não é encontrar o número perfeito, mas sim os pontos fracos em seu site.

Preocupe-se com a qualidade de forma específica, e os resultados, em forma de conversões, serão meras consequências.

Qual a diferença entre taxa de saída e taxa de rejeição?

Enquanto a taxa de rejeição é dada por quantos usuários saíram de seu site sem acessar nenhuma outra página nele, a taxa de saída é mais específica. Ela é calculada sobre em qual página do seu site os usuários saíram. Ela não leva em conta o nível de interação, até porque neste caso a interação (passou de uma página) já aconteceu.

Essa é a diferença entre as duas. Enquanto a taxa de rejeição é em relação ao site inteiro, sem qualquer interação além da própria entrada no endereço, a taxa de saída indica em qual página o usuário perdeu o interesse e saiu. Por isso a taxa de saída é vital para manter a qualidade de seu site.

Sair de um site não significa um abandono, já que ninguém permanece em um site eternamente. Mas, por exemplo, se em um site de compras o usuário sai do site antes de concluir a compra, é preciso descobrir em que momento ele “perdeu o encanto” da experiência.

Pode ser que a página de descrição do produto não tenha sido satisfatória, e isso dissuadiu o usuário de seguir adiante e realizar a compra na página seguinte.

Talvez, a página com maior saída seja o carrinho de compras, que apresentou erros ou inconveniências para o cliente. Conhecer essa taxa auxilia a corrigir os erros de páginas específicas rapidamente.

Como diminuir a taxa de rejeição?

Agora que você viu em detalhes como funciona a taxa de rejeição, o mais importante é conhecer atitudes simples e práticas para reduzir essa taxa para o seu site.

Linguagem

A primeira dica é adequar a linguagem do seu site, que tem a ver com o estudo do seu público. Mesmo que seja um site institucional, conte a história da empresa, seus pontos fortes, sua missão, tudo em uma linguagem amigável, sem excesso de formalidade e com gramática perfeita.

Atualização

A segunda dica é manter seu site atualizado sempre. Artigos com taxa de rejeição alta podem ter conteúdo antigo demais que, se atualizado, já resolve o problema.

Otimização para dispositivos

A terceira coisa a melhorar, e esse ponto é importantíssimo, é a otimização do seu site para todos os dispositivos móveis. Hoje em dia, a maioria das pessoas usa o celular para ter acesso à internet, por isso, sua página precisa acompanhar essa tendência e ser agradável de usar nesses aparelhos.

Rede de links

Trabalhe nos links do seu site. Construir uma rede de links interna, isto é, que dão em outras páginas de seu próprio site, é uma forma de convidar o usuário a permanecer nele, de uma forma natural e agradável.

Boa experiência do usuário

A última dica é toda pensada na experiência do usuário. Sob hipótese alguma permita que a navegação seja interrompida. Isso significa evitar pop-ups e não deixar que, ao clicar em um anúncio, o usuário seja redirecionado para fora do seu site. Certifique-se de que uma janela diferente irá abrir.

Botões de ação

Ao longo de sua landing page, lance mão dos botões de ação, o “clique aqui para…”. Isso é uma maneira não apenas de chamar atenção do usuário, mas de guiá-lo ao longo da página para que ele passe por uma jornada até realizar cada ação que você planejou.

Essas ações podem ser uma compra, o clique em outra página, o preenchimento de um formulário, etc.

Só não exagere nos botões. Isso pode atrapalhar a navegação e o usuário consegue perceber que seu site “forçou a barra”.

Agora que você já sabe como funciona a taxa de rejeição, siga as dicas recomendadas que você conseguirá melhorar ainda mais a experiência de busca no seu site.

Se você gostou do conteúdo de hoje, acesse o artigo 3 formas para conquistar tráfego qualificado! para descobrir como atrair mais público para a sua página.

Esse foi só um exemplo prático 😉 Mas, se você quiser, será um prazer ter você conosco!

guest-posts-newsletter

Insights relevantes para maximizar o posicionamento da sua marca na internet

    Deixe um comentário

    © Copyright GuestPosts 2019 - 2022. Todos direitos reservados.

    Desenvolvido por E-Inov, Layout by Agência WN